Menu de Navegação de Páginas

Reflexão Solenidade da Santíssima Trindade: “Trindade: amar ou explicar?” (Jo 3,16-18)

Reflexão Solenidade da Santíssima Trindade: “Trindade: amar ou explicar?” (Jo 3,16-18)

(Evangelho – Jo 3,16-18)

Deus enviou seu Filho ao mundo, para
que o mundo seja salvo por ele.

16Deus amou tanto o mundo,
que deu o seu Filho unigênito,
para que não morra todo o que nele crer,
mas tenha a vida eterna.
17De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo
para condenar o mundo,
mas para que o mundo seja salvo por ele.
18Quem nele crê, não é condenado,
mas quem não crê, já está condenado,
porque não acreditou no nome do Filho unigênito.

                                                                                  (Por: Mons. André Vital Félix da Silva, SCJ)

A Solenidade da Santíssima Trindade não é ocasião para fazer tratados teológicos visando explicar a verdade dogmática do Mistério do Deus Uno e Trino, mas é, antes de tudo, a proclamação da verdade do amor do Deus que nos salva em Jesus Cristo, conduzindo-nos pelo Espírito Santo à plenitude da vida.

A Sagrada Escritura mais do que apresentar conceitos sobre a Trindade (Trindade imanente) narra a dinâmica da salvação operada por Ela na história, em favor da humanidade (Trindade econômica). Mais do que falar de Deus em si, do seu mistério inefável, a liturgia nos introduz na experiência do Deus que nos ama, pois é, antes de tudo, contemplação da relação trinitária e das suas maravilhas realizadas por amor às suas criaturas. Se é impossível falar de um amor verdadeiro sem que haja amantes e amados concretos, assim também não se pode conceber um verdadeiro amor se este não for comunhão, e cuja diversidade não se fundamente na unidade.

 

A Trindade testemunha que o autêntico amor não se fecha numa relação entre dois, onde se corre o risco de projeção narcisista, mas é amor entre três, numa circularidade que não permite exclusão injusta, nem dependência viciante, mas comunhão integradora, aberta e infinita.

Celebrar esta Solenidade logo após o Pentecostes reforça a convicção de que a história da Salvação, segundo a Revelação, é realizada pelo Pai, através do Filho, no Espírito Santo. Diríamos que, no centro cronológico do ano litúrgico, a Solenidade da Santíssima Trindade é a síntese de toda a narrativa da história salvífica. Nesta festa se explicita a verdade fundamental da nossa fé cristã: “Do Pai pelo Filho no Espírito Santo ao Pai”.

O evangelho de hoje narra um trecho do diálogo de Jesus com Nicodemos, um doutor da Lei, membro do sinédrio e importante mestre entre os fariseus, portanto, conhecedor da Lei e da teologia judaica. Certamente esse doutor da Lei saberia dar uma aula sobre Deus, porém revelou-se diante de Jesus incapaz de identificar na vida as provas concretas do amor de Deus: “Se não acreditais quando vos falo das coisas da terra, como acreditareis quando vos falar das coisas do céu?” (Jo 3,12).

Contudo, ao aproximar-se de Jesus, manifesta-lhe o desejo de conhecer a Deus de modo mais perfeito, pois reconhece que Jesus veio de Deus, e por isso tem toda a autoridade para discorrer sobre a realidade do Eterno: “Rabi, sabemos que vens da parte de Deus como um mestre” (Jo 3,2). Certamente esperava que o seu diálogo contemplasse as questões fundamentais da teologia, que fossem apresentados os argumentos mais convincentes fundamentados nas Escrituras Sagradas. Porém, Jesus o surpreende, não parte de doutrinas ortodoxas bem elaboradas, mas lança-lhe um desafio a fim de que ele possa ter um verdadeiro conhecimento de Deus que não alcance apenas a sua compreensão, mas envolva toda a sua existência: “Não te admires de eu te haver dito: ‘Deveis nascer do alto’” (Jo 3,7)

 A vida nova, que não brota de um conhecimento racional de Deus, é, antes de tudo, fruto da experiência de ser amado por Ele. Só assim será possível conhecer a Deus através do que Ele é para nós e não simplesmente do que Ele é em si: “Deus amou tanto o mundo que entregou o seu Filho único para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”. Conhecer a Deus não significa apenas admitir que Ele existe ou mesmo dizer quem é Ele, mas só conhece a Deus quem crê Nele, expressão de máxima coerência de quem O ama e é amado por Ele.

Nicodemos conhecia as Escrituras que afirmavam que Deus é amor, é misericórdia, é bondade, mas só no encontro com o Verbo Encarnado, ele pode conhecer a prova desta verdade. Sem o encontro com Jesus, o enviado do Deus amor, a pessoa humana não passará de um especulador do mistério de Deus. Pois é só diante da cruz do Senhor, da sua entrega, da prova incontestável do seu amor, é que o ser humano saberá quem é Deus, para poder crer Nele e amá-Lo verdadeiramente.

Crer em Jesus é crer na vida eterna; pois a vida eterna é uma consequência natural de um amor eterno. Por conseguinte, a fé se torna, ao mesmo tempo, a nossa maneira de amar e de conhecer a Deus. Mais do que uma resposta afetiva ao amor divino, é uma decisão da vontade e da inteligência humanas que leva a uma entrega total a Cristo, aceitando e praticando a sua palavra (cf. Jo 14,1.15.21). Daí que a condenação não é uma decisão arbitrária de Deus: “Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele”. O verbo “condenar” no grego (krino) pode ser traduzido também por escolher, decidir, julgar. Em outras palavras, a missão de Jesus não é decidir pela condenação do mundo, mas salvá-lo (grego: sodzo, libertar), ou seja, arrancar das amarras da morte. Se por um lado, não cabe ao Filho decidir a condenação, por outro, a resposta de fé da humanidade, isto é, a sua decisão de acolher o amor eterno, é a condição fundamental para que seja salva.

Diante do Mistério da Trindade, verdade que nos envolve e nos transcende, mas que não se impõe nem obriga, a resposta mais coerente do coração e da mente humana é acreditar, adorar e amar. Eis o verdadeiro caminho para conhecer que do Mistério do Deus Uno-Trino, conta mais amá-Lo e ser amado por Ele do que explicá-Lo e arriscar perdê-Lo.

 

Mons. André Vital Félix da Silva, SCJ. Nomeado Bispo da Diocese de Limoeiro do Norte-CE em 10 de maio de 2017. Mestre em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana. Professor nos Seminários de Campina Grande-PB e Caruaru-PE.

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *